Artes e digitalização

Abração de gorila…. Papai

Abração de gorila

 
Hoje é dia dos pais. Mas eu já não tenho pai para abraçar. Apesar de tudo de bom que ele fez por mim. Que pena!
Ele era uma pessoa muito, muito versátil. Às vezes colérico. Às vezes extremamente aventureiro. Outras ainda muito carinhoso, à sua maneira.

Bem…quero falar agora das coisas boas, dos ensinamentos, dos bons exemplos dele. E não o contrário.
Ele era uma pessoa que gostava de tudo. E não superficialmente. Não! Ele ia fundo em tudo o que se propunha a fazer, ser e frequentar.


Gostava das prais e do mar. Gostava das montanhas, dos rios, das matas, da natureza. E usufruía de todas estas coisas.
Gostava de ambientes grandes, finos, luxuosos mesmo. Mas ao mesmo tempo também frequentava lugares extremamente pequenos, simples, sem nenhuma sofisticação. Caipira mesmo.


Das pessoas…a mesma coisa. Tinha amigos de todas as cores e credos. Amigos muito ricos e poderosos e outros muito, muito simplórios, mas sábios no viver. E humildes, pobres, de pé no chão.


Para ele o mais importante eram os valores que vem do coração. Até hoje retumba em minha cabeça uma frase que ele sempre dizia: — o que vale é a intenção.
Mas o que eu mais admirava nele era o seu espírito de liberdade, sem ser libertino.

 
Por isto hoje ele merece meu grande abraço. Por tudo de bom que ele praticou e ensinou. E a muita gente que passou pela vida dele.


E o abraço tem que ser de gorila. Com braços bem compridos, maior que o meu corpo. Quem sabe assim chegue até ele no mundo do além.