Artwork

¿Que pasa? ¿Que pasa?

¿Que pasa? ¿Que pasa?

Nesta expressão ¿Que pasa? e com interrogação de ponta cabeça na frente, assim está escrito porque está em espanhol. 
O verbo “pasar” é passar em português. Numa tradução literal. Mas estes dois verbos nos dois idiomas nem sempre tem o mesmo significado. Tudo vai depender do contexto.
E poderia estar aqui falando sobre isto, mas o texto ficaria longo demais. 
Mas aqui o “¿Que pasa?” significa “O que acontece?”. E agora vou dizer o que aconteceu ….porque este é o motivo da arte. 
Era um domingo tranquilo e eu resolvi dar umas voltas por aí. Peguei o metrô e desci na estação Consolação. Ui! Pra quê! Quando vi estava no meio de um daqueles corriqueiros protestos da Paulista. Nem sei sobre o que protestavam. Só pensei em sair o mais rápido dali. Mesmo porque eu estava sozinha. 
E meio que forçada tomei a direção de menor movimento. Desci pela Augusta. E entrei num restaurante/bar na esquina desta com a Rua Luis Coelho. 
Já, mais tranquila, sentei numa mesa e pedi um capuccino. Logo a garçonete trouxe um individual de papel de cor caqui. 
Quando prestei mais a atenção nele vi impressas em duas bordas a expressão ¿Que pasa? E não resisti. Comecei a rir. É que refletia justamente o meu questiona/o a respeito da confusão da rua, que eu não sabia bem porque estava acontecendo. 
Logo pedi outro individual para trazer para casa. E é este desta arte.
Mas continuando o meu raciocínio…comecei a pensar em como poderia sair dali sã e salva. 
Me imaginei então estando numa bicimoto (bicicleta motorizada) como a desta arte. E não poderia ser uma simples bicicleta porque minhas pernas não dariam conta de pedalar o suficiente para fugir dali. Também não poderia ser um carro. Este também não sairia do lugar.
É, a bicimoto seria ideal. Com esta acho que eu conseguiria passar apressadamente pelo tumulto todo percorrendo toda faixa vermelha da Paulista. Em toda sua extensão. Com certeza daria!
🚴🚴
Mas aí veio o capuccino e estava tão bom que esqueci de tudo. Dali a pouco as coisas lá fora estavam mais tranquilas Saí com o individual embaixo do braço. E voltei pra casa. 
Até que o reencontrei num destes dias e resolvi fazer esta arte…
🎨🖌️