Artwork

O percurso do meteoro sem rumo

O percurso do meteoro sem rumo…

Ele nasceu, ou quase não nasceu, de tão pequeno e insignificante que era. E foi nesta condição que se desprendeu de sua pedra mãe. Esta sim, poderosa. 
A ideia dele era sair experimentando o mundo. O mundo não, mas o espaço sideral onde ele estava. E era grande. E ele nem sabia porque era espaço. Ele achava que era um grande nada. Sim. Grande, imenso, sem fim e escuro. E ele que só tinha um luzezinha de vagalume. Hummm…
E ele começou a dar suas voltinhas no escurão. E ficou bem contente quando algumas partículas começaram a grudar em seu corpo. E com isto foi ficando mais encorpado. Lógico! Ah! e mais iluminado também. 
Começou a visitar muitos outros meteoros, estrelas, planetas e galáxias. Até que entrou na via Láctea. E através dela chegou ao nosso sistema solar. Que lindo! Uma estrela principal, o sol, e vários planetinhas ao seu redor. 
Um planeta em especial chamou a atenção dele: a Terra. Gracinha! Azul, verde e branca. Girando tranquila e soltando umas fumacinhas. E de longe ele pode avistar também umas formiguinhas muito ágeis, espertas e trabalhadoras. Hummm… estava ficando muito interessante! 
E assim ficou observando durante um bom tempo. Ficou horrorizado com tudo o que foi vendo enquanto a Terra já esgotada e cansada, girava e girava. Ainda assim as formiguinhas continuavam fazendo das suas. 
Mais eis que, de repente, do nada, ele leva uma chacoalhada forte. Um abalo que arrancou um pedaço do seu corpo. Cruzes! Como assim, se ele estava tão alto e distante? 
Quando foi verificar o que era, não deu outra: as formiguinhas tinham explodido uma bomba poderosíssima que invadiu, inclusive, o espaço sideral. Coisa de louco! 
Nossa! Resolveu fugir rapidamente. Mas foi difícil. É que por ser a Via Láctea em espiral, teve uma verdadeira crise de labirintite. E ficou muito tempo dando voltas e mais voltas, sem rumo. E foram muitas piruetas iluminadas até que ele conseguisse se desprender. Mas não sem antes ter deixado o seu percurso doido desenhado nos céus. 
Mas as formiguinhas continuaram….