Artes e digitalização · Artwork

O olho de vidro

O olho de vidro

Embora parecesse muito a uma bolinha de gude, não era. Era de vidro. E era um olho. 
E ele de tanto andar acompanhando o olho bom, do outro lado do rosto, e de verdade, acabou adquirindo algumas habilidades e algumas sem-vergonhices também. 
E os dois olhos, o de verdade, e o de mentira, sempre andavam juntos. Para o bem ou para o mal. 
Hummm… e o que eles mais gostavam de fazer era espiar pelos buracos de fechaduras. Aliás uma brincadeira que já quase não acontecia. As portas modernas tinham fechaduras com design arrojado, impecável e sem buracos. Que pena!
Bem, mas ainda havia muitas coisas muito interessantes para fazer juntos. Paquerar, por exemplo. Ah! maravilhoso ver belezuras por toda parte.
Também gostavam de tentar adivinhar distâncias, enxergar belezas naturais. Na terra ou no mar. E embaixo da água. 
Gostavam de ler. Tanto livros físicos, quanto livros digitais. E havia muitas coisas mais. Muitas!!!
A única preocupação do olho de vidro é que ele, às vezes, ficava mal encaixado na cavidade ocular do seu dono. E este era bem relaxado e gostava de vez em quando de tomar todas. Nossa! Que perigo!
Pois é. E não é que um dia ele encheu a cara até não saber mais como se chamava. Vixe!
E cambaleando bateu a cabeça numa árvore e caiu junto do meio fio da calçada. E, o olho de vidro, saiu rolando e caiu numa poça na rua junto da sarjeta. 
E o coitado ficou lá se sujando todo. Chegou a ficar roxo de frio e de imundice. O pior é que o olho de verdade, assim como o dono, também estava fora de combate. Não conseguia se manter aberto. Estava bêbado também. 
E, o de vidro, estava muito aflito porque as pessoas que passavam, em vez de agarrá-lo, se assustavam muito e saiam gritando: – Credo! Um olho na rua. 
Agiam como aquelas pessoas que saiam correndo de medo do “Gasparzinho, o fantasma camarada”. Aquele do desenho animado. 
Bom… e assim o olho de vidro teve que esperar por bastante tempo até que seu dono se recuperasse e o resgatasse daquela poça imunda. 
E assim foi. Ainda bem que apesar da demora tudo deu certo. Mas ele ia precisar de um bom banho!